HERANÇA DIGITAL: sucessão de bens digitais na ausência de testamento

Janaína Gonçalves Correia

Resumo


Com a popularização do computador e da internet os usuários passaram a produzir e adquirir bens digitais. Oordenamento jurídico brasileiro deve ajustar-se à nova realidade vinda com essa evolução tecnológica – a acumulação de bens no espaço cibernético –, compreendendo que o conceito de patrimônio se estendeu, englobando esses novos bens. O presente trabalho visa, diante do crescimento de usuários da internet, mostrar que a obscuridade da lei quanto ao tema tem causado transtorno aos possíveis herdeiros. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica – com enfoque qualitativo – fazendo um resgate histórico do conceito de patrimônio, conceituando bens e bens digitais, sucessão pós-morte, explanando sobre o Marco Civil de 2014 e culminando na necessidade de aprovação do Projeto de Lei 4099-A – utilizando o método hipotético dedutivo. Na pesquisa foi utilizado livros, artigos em meios eletrônicos, leis, reportagens, e páginas de web sites.Como não mudou e não pode ser mudado o direito de transmitir a herdeiros bens acumulados em vida, bem como direitos e deveres, verificou-se que a sucessão de bens digitais – com ou sem valor pecuniário – tem causado contratempos para os parentes devido à ausência de legislação sobre o tema. O Código Civil não ampara a transmissão dos bens digitais. A fim de evitar transtornos no Judiciário e aos possíveis herdeiros, diante da necessidade em definir a destinação desses bens após a morte do proprietário, é latente a aprovação do PL 4099-A/2012.


Palavras-chave


Patrimônio; Bens digitai; Herança digital

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright APEC e Rede Internacional de Universidades Laureate

E-mail: edunp@unp.br

AV. Senador Salgado Filho, nº1610. Prédio I, 3º andar, Sala 306. Lagoa Nova. Natal/RN. CEP: 59056-000.
Tel.: (84) 3215-1222

    Resultado de imagem para ibict    Resultado de imagem para latindex